quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Aquela cidade


-Sabe, eu estava pensando...
-Uhm...
-Não sei, a vida é tão complicada. Quando eu acho que tenho que seguir um caminho, aparece alguma complicação que muda tudo. Poxa...
-Não tem que ser assim, você sabe que não tem que ser assim.
-Mas ultimamente é assim que acontece. Veja, tantos planos que fiz, tantas idéias que tive, tantas coisas pelas quais já batalhei. E o que eu consegui? Nada. Nada.
-Nada. Ainda. A-I-N-D-A.
-Hunf, não quero mais esperar. A espera cansa, causa tristeza, ansieadade, incerteza.
-Relaxa, tudo bem? Relaxa?
-Não! Não relaxo! É só isso que você sabe dizer? "relaxa".
Não tem como relaxar okay? É isso, os caminhos mudaram, as respostas mudaram. Eu achava que deveria seguir por aquela estrada e aparentemente não devo mais, ou nunca deveria. Enfim, agora é pensar em outra solução, outro caminho. Outra possibilidade.

Era fim de tarde. Fim de tarde que tingia a cidade em tons de alaranjado. Ela gostava de pensar que a cidade toda era alaranjada. Achava algo de bonito nesse pensamento. Hoje, no entento, não estava achando nada bonito. Somente o mesmo céu, o mesmo calor, a mesma brisa cheia de cheios conhecidos. E o mesmo sentimento de derrota de todas as outras vezes. A simples hipótese de ouvir mais um "não" era desesperadora. Apesar de ela saber que ainda nada estava perdido. Nada.

-Olhe para mim. Eu estou aqui para você. Sempre estarei. Conseguir ou não essa oportunidade que não mudara nada no modo como gosto de você. Não adianta fazer drama frente a resultados que não são conhecidos. Fique tranquila. Pense positivo. Quando realmente a resposta chegar, ai sim desespere-se, ai sim chore, de alegria ou felicidade. E eu sei que será de felicidade. Só que, se não for, meus ombros estarão aqui. Certo?
-Certo...

Ele sempre tinha razão. Ele e a tranquilidade quase inabalável dele. Ele e os olhos sinceros e verdadeiros. Como se desesperar frente a tudo isso? Como não confiar nessas palavras? Como não sorrir? Fechou os olhos e se entregou ao abraço. Assim calmo. Assim quente. Assim acolhedor. A cidade alaranjada sorriu para ela. Como tinha sorrido por todo esse tempo. Suspirou. O amor mesmo, supera tudo.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. O amor supera tudo, mas não mante nada!

    ResponderExcluir
  3. Não tenho palavras pra descrever o que sinto quanto leio um texto desse, espero que meus
    olhos sejam mais compreensíveis...Amo.

    ResponderExcluir